focosh@focosh.com.br
(45) 98813-1115
Você está em: Página Inicial > Entretenimento
APÓS ENGORDAR E EMAGRECER, FANI COBRA R$ 7 MIL POR PALESTRA MOTIVACIONAL
Ex-BBB diz que é alvo constante de comentários de ódio: "Sociedade doente"
Por G1 | Postado em: 01/10/2018 - 19:50

Mais Imagens

Fani Pacheco engordou 25 quilos, mas foi obrigada a emagrecer após ser diagnosticada com síndrome metabólica (conjunto de condições que aumentam o risco de doença cardíaca, acidente vascular cerebral e diabetes) no início deste ano. Atualmente com 62 quilos, a estudante de medicina, de 36 anos, contou a QUEM que as cantadas não aumentaram nas ruas depois que ela emagreceu. "Desde que sou famosa sou pouquíssimo cantada. É muito difícil saber se alguém está interessado em mim ou não. É mais fácil eu ser cantada por um famoso do que por um anônimo. Sempre foi assim, magra ou gorda, desde que sou celebridade", disse.

Fani admitiu, no entanto, que quando engordou, foi muito bem recebida pelo público masculino nas redes sociais. "As cantadas nas redes sociais aumentaram positivamente. Por isso que, no fundo, acho que os homens gostam de excesso de gostosura. Cada mulher tem que bancar o que é. Quando ela se conhece e sabe quem é, qualquer homem vai admirá-la e respeitá-la", afirmou.

PALESTRANTE
Fani tem conciliado o curso de medicina com palestras motivacionais pelo Brasil – no valor de R$7 mil cada – empoderando mulheres por meio do movimento body positive, que busca fortalecer o amor próprio das mulheres e também promover a pluralidade da beleza."Quando você se conhece, você entende que não existe padrão. Quem dá peso ao padrão é você, quem vai dizer se tem que ser magro, gordo ou fitness é você. A partir do momento que você fica feliz com você mesmo pelo que você é, padrão nenhum incomoda mais. O padrão é individual, cada um tem o seu", explicou.

Após emagrecer 25 quilos, Fani, que mede 1,66 m, está com 62 quilos e comemorou a segunda fase do seu tratamento, que é voltada para ganhar massa magra. “Ganhando massa magra, vou aumentar a minha taxa metabólica, de gasto calórico, e com isso vou poder ter uma vida saudável e ao mesmo tempo poderei comer as minhas besteiras sem sair do meu peso e sem correr o risco de desenvolver nenhuma doença crônica. De julho para cá, tenho tomado suplementação e feito exercícios físicos para hipertrofia muscular justamente para ter uma qualidade de vida e não engordar de novo. Acredito que esteja com algo entre 16% e 19% de gordura. Minha meta é chegar a 14%. Isso vai me proporcionar uma estabilidade de peso e saúde muito boa. Quero poder comer churrasco, cerveja e doce”, contou, aos risos.

PADRÕES
Fani lamentou os padrões de beleza difundidos nas redes sociais. “As pessoas estão tão doentes por causa das redes sociais, onde elas estão acostumadas a ver tanta beleza, sucesso e perfeição, que alguém público admite algo que não está dentro do que é considerado o padrão, elas criticam”, defende. “É engraçado porque quando engordei, me expus para caramba. Transformei algo que era julgado negativo – uma sex symbol engordar – em positivo. Me tratei, aprendi como viver bem com isso e fui criticada. Depois que emagreci, as pessoas ficaram com raiva porque emagreci e me criticaram também. A verdade é que sempre querem criticar, não importa o quê”, disse.

A ex-BBB lembrou de um episódio de uma foto que postou em que aparece de calça jeans bebendo água na frente da geladeira que mostra o quitinete em que ela mora durante a semana em Angra dos Reis (RJ), onde fica sua faculdade de medicina. “Escreveram vários comentários em relação ao meu corpo e vários outros falando assim: ‘ai, que lugar horrível que você mora. Nenhum artista posta foto em lugares feios. Como é que você tem essa coragem?’ E respondi: ‘minha casa é limpa e confortável, gosto do meu quitinete’. Outras pessoas começaram a dizer: ‘por que você não tira foto em outro lugar?’ Elas queriam que eu fingisse! Elas se sentem agredidas por eu tirar foto em um lugar que elas não acham devido. É uma sociedade doente”, afirmou.

Tecnologia e desenvolvimento