focosh@focosh.com.br
(45) 98813-1115
Você está em: Página Inicial > Policial
Caso Letícia: amiga revela que garota morta a facadas tinha medo de o pai sair da cadeia
Crime foi horas depois que o pai, suspeito do crime, deixou a prisão para responder em liberdade por estupro da cunhada. Letícia contou à família que também foi abusada em São Roque
Por G1 | Postado em: 06/10/2018 - 12:14

Mesmo quem era amiga próxima – ou até mesmo da família – não sabia o que se passava com a jovem Letícia Tanzi, de 13 anos, que foi morta a facadas em São Roque (SP) na madrugada de quarta-feira (3). Ela nunca havia comentado que era vítima de abusos sexuais cometidos pelo pai. Ele também é o principal suspeito pelo assassinado e está foragido.

Horácio Nazareno Lucas estava preso por estupro contra uma cunhada, caso ocorrido em 2010, e deixou a cadeia na terça-feira (2) ao conseguir na Justiça para responder em liberdade pelo crime. Logo depois da prisão dele em junho deste ano, Letícia revelou à família que também foi abusada pelo pai. Uma amiga da garota relata que a jovem ficou alíviada após o homem ter ido para o presídio.

Em conversa com o G1, a amiga da adolescente afirmou que ela sempre estava bem e nunca demonstrou vivenciar o tipo de drama que foi revelado após sua morte. “Ela nunca chegou a contar, apenas depois que tudo aconteceu”, diz uma amiga sobre a prisão do pai.

“Ela ficou mais feliz [após a prisão do pai], foi um alívio para ela. Ela contou que tinha medo do Horácio sair da cadeia e fazer alguma coisa com ela”, lembra.
Já uma parente da jovem afirmou que não frequentava a casa de Letícia por conta da suspeita de Horácio ter abusado sexualmente da cunhada. “O boato já tinha corrido na cidade, não frequentávamos a casa dela por isso”, afirma.
Ciúmes excessivos
A amiga da jovem há pelo menos quatro anos contou ao G1 que Horácio proibia Letícia de sair de casa e, em algumas situações como festas de aniversários, obrigava a jovem a ir embora para casa mais cedo.

Uma tia de Letícia contou que “sempre teve um pé atrás” com o ex-cunhado. “Ele não participava da vida escolar da menina e repreendia a Letícia em tudo que ela fazia.”

“Ele tinha ciúmes excessivos dela. Queria se mostrar um homem presente e bonzinho, mas não era nada disso”, conta a cabelereira.
Enterro e buscas pelo suspeito
O corpo da jovem foi enterrado na manhã de quinta-feira (4) no Cemitério Cambará sob forte comoção de amigos, colegas e familiares. "Nós a víamos no intervalo e não imaginávamos o problema que ela estava tendo na casa dela", disse uma jovem.

As buscas por Horácio Nazareno Lucas, suspeito de matar a filha, foram interrompidas na madrugada e retomadas em toda a região, na manhã desta sexta-feira (5). O suspeito fugiu do local do crime para um matagal na região e segundo a lei eleitoral, se encontrado, ele não poderá ser preso.
Entenda o caso
Horácio foi preso em junho deste ano, após ser condenado a oito anos de prisão por estuprar a cunhada, que tem problemas mentais, em 2010.

De acordo com informações do Tribunal de Justiça de São Paulo, o suspeito respondeu em liberdade durante todo o processo porque sempre cumpriu as medidas cautelares. "O réu não ostentava antecedente criminal, demonstrou ter ocupação lícita e tinha residência fixa, não existindo indício a demonstrar a necessidade de aplicação da medida de prisão cautelar do investigado", explica o TJ.

O órgão ressalta que o benefício de responder em liberdade é baseado em jurisprudência de tribunais superiores, que entendem que a prisão antes da condenação em segunda instância é usada somente em casos em que há necessidade concreta de tirar o investigado do convívio em sociedade.
Ao final do processo, Horácio foi condenado, mas com possibilidade de recorrer da decisão em liberdade. Ao ser intimado, o suspeito não foi encontrado no endereço informado, perdeu o prazo para recorrer e teve a prisão decretada. Ele foi localizado e preso em 8 de junho.

O advogado de defesa da família recorreu para que ele continuasse respondendo em liberdade, pois Horário ainda morava no endereço informado à Justiça.
Dias depois da prisão, no entanto, a família descobriu que a filha tinha sido abusada pelo pai e registrou um boletim de ocorrência contra ele.
O crime
Segundo consta no boletim de ocorrência, horas depois de sair da prisão, Horácio foi para casa. A mãe da menina disse que o marido chegou de madrugada, arrombou uma porta e conseguiu entrar no imóvel, no entanto, não parecia representar uma ameaça naquele momento.
"Ele estava calmo, conversando. Até pediu desculpa para a nossa filha. Eles se abraçaram e até choraram juntos", disse.
Segundo a mãe, Horácio tinha o objetivo de convencer a filha a retirar a denúncia de estupro. Ele estava calmo, mas a situação mudou quando a menina se negou a voltar atrás.
Horácio agrediu a mulher com socos e tentou esganá-la. Ela conseguiu se desvencilhar e fugir para a casa de uma vizinha, para pedir socorro.

O documento policial relata que o homem trancou o filho mais novo no quarto e deu várias facadas na filha, que estava na sala.

Tecnologia e desenvolvimento