focosh@focosh.com.br
(45) 98813-1115
Você está em: Página Inicial > Policial
Delator diz que empresas acertaram repasses a grupo de Beto Richa para vencer licitação no programa Patrulha do Campo
Celso Frare disse em depoimento que pagamento deveria ser de 8% do valor bruto dos contratos ao grupo político do ex-governador; esquema é investigado pela Operação Rádio Patrulha
Por G1 | Postado em: 18/05/2019 - 06:36

Mais Imagens

O empresário e delator Celso Frare, ex-dono da empresa Ouro Verde, afirmou que as empresas vencedoras de licitações do programa Patrulha do Campo fecharam um acordo no qual deveriam repassar 8% do valor bruto dos contratos ao grupo político do ex-governador Beto Richa (PSDB).

Frare detalhou em sete depoimentos, homologados pela Justiça, como funcionava o esquema de entrega de propina em contrapartida para que empresas vencessem as licitações. O caso é investigado pela Operação Rádio Patrulha.

O programa foi criado durante a gestão do ex-governador Beto Richa para a manutenção de estradas rurais entre os anos de 2011 e 2012.

De acordo com a denúncia, foram repassados R$ 8,1 milhões em propina. O empresário confirmou quatro repasses em dinheiro vivo.

Celso Frare detalhou em delação que as irregularidades era acertadas com funcionários do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR) e Pepe Richa, que na época era secretário estadual de infraestrutura.

Na delação, Frare disse que foi combinado que as empresas Cotrans, Ouro Verde e J. Malucelli venceriam a licitação. Segundo o empresário, cada uma ficaria com um lote do programa.

Ainda durante o depoimento, o delator afirmou que uma quarta empresa entrou na concorrência e venceu um dos lotes.

Conforme Frare, a empresa era a Terra Brasil, que, de acordo com o Ministério Público do Paraná (MP-PR), pertencia ao ex-secretário estadual de Assuntos Estratégicos Edson Casagrande. A entrada da Terra Brasil no programa deixou de fora dos lotes a J. Malucelli.

Mesmo assim, segundo o delator, a empresa de Joel Malucelli trabalhou no programa, mesmo sem vencer a licitação, por causa de um acordo feito entre os empresários.

 

"Daí a gente fez um trato com o Joel: 'se eu ganhar a concorrência, eu te dou uma das patrulhas pra você, te passo a parte da patrulha pra você. E se você ganhar a concorrência, você passa pra mim'.", disse Frare.

 

Um dos depoimentos dados por Celso Frare está sob sigilo. Neste depoimento, segundo apuração feita pela RPC, o empresário explica o esquema feito com o empresário Joel Malucelli para compensá-lo, já que a J. Malucelli não venceu nenhum lote da licitação.

As informações fazem parte de um inquérito do MP-PR que investiga o esquema de lavagem de dinheiro na Operação Rádio Patrulha.

Operação Rádio Patrulha

 

Além da prisão de Celso Frare, a Operação Rádio Patrulha também foi responsável pelas prisões do ex-governador Beto Richa, o irmão dele, Pepe Richa, o empresário Joel Malucelli, além de outras sete pessoas.

Beto Richa foi preso no dia 11 de setembro de 2018 e solto quatro dias depois após habeas corpus concedido pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Eles são acusados pelo MP-PR por crimes como corrupção e fraude à licitação num esquema que envolve mais de R$ 100 milhões pagos a empresas investigadas.

A empresa Ouro Verde fez um acordo de leniência se comprometendo a devolver R$ 33 milhões para compensar fraudes no Programa Patrulha do Campo.

 

O que dizem os citados

 

A defesa do ex-governador Beto Richa afirmou que as acusações de Celso Frare são infundadas e que o empresário fez delação para não ser preso e diminuir os valores dos prejuízos que causou ao Estado.

Os advogados de Pepe Richa afirmaram que os relatos não são verdadeiros e que lamentam que um criminoso confesso receba credibilidade sem apresentar provas. A defesa afirmou também que Pepe Richa confia na Justiça e continua à disposição para esclarecer os fatos.

A defesa de Edson Casagrande informou que vai se manifestar depois que tiver acesso à integra da delação.

O advogado da empresa Terra Brasil afirmou que vai mostrar que a licitação foi lícita e que não houve nenhum crime.

O DER-PR afirmou que os fatos investigados aconteceram na gestão passada e que a nova administração tem colaborado com a Justiça.

A defesa de Joel Malucelli e da empresa J. Malucelli informou que é tecnicamente impossível ter havido qualquer irregularidade porque foi uma licitação muito concorrida. Ainda conforme a defesa, Joel Malucelli jamais teve qualquer contato com agentes públicos sobre esse assunto.

Tony Garcia afirmou que os fatos revelados na delação de Celso Frare apenas confirmam o que ele já tinha apresentado à Justiça.

A defesa de Celso Frare afirmou que seu cliente está à disposição das autoridades competentes para qualquer esclarecimento dos fatos.

 

Últimas Notícias
Policial 16 Ago às 09:17
Ministério Público informou que em dez processos, 29 pessoas foram denunciadas em operação que investiga o caso. Seis médicos foram afastados do SUS pela Justiça
Policial 15 Ago às 07:06
Ex-governador do Paraná é acusado de participar de crimes de fraude à licitação, corrupção passiva e operações de lavagem de dinheiro
Policial 13 Ago às 06:51
Local foi encontrado na noite desta segunda-feira (12) a partir de denúncias anônimas
Policial 02 Ago às 07:30
Prisão aconteceu em uma chácara em Santa Terezinha de Itaipu nesta quinta-feira (1º) após uma denúncia anônima. Policiais usavam o carro da corporação para transportar a mercadoria
Policial 02 Ago às 07:14
Com a decisão, quatro suspeitos ficam presos por tempo indeterminado
Policial 29 Jul às 14:08
Detido em flagrante, ele teria oferecido apoio logístico ao grupo
Policial 29 Jul às 13:56
Segundo a Susipe, 16 presos foram decapitados. Uma briga entre organizações criminosas provocou a rebelião. Dois agentes prisionais foram feitos reféns
Policial 26 Jul às 10:12
Prisão ocorreu em Cascavel, nesta quinta-feira (25); conforme a polícia, o investigado não só despachava o arsenal como também cuidava do transporte desde a fronteira até o Rio de Janeiro
Tecnologia e desenvolvimento