focosh@focosh.com.br
(45) 98813-1115
Você está em: Página Inicial > Policial
José Dirceu é transferido da PF para Complexo Médico-Penal
Ex-ministro se entregou à Polícia Federal em Curitiba na noite de sexta-feira (17); Justiça do Paraná mandou prendê-lo novamente depois que o TRF-4 negou recurso da defesa
Por G1 | Postado em: 19/05/2019 - 09:16

Mais Imagens

O ex-ministro José Dirceu foi transferido, neste sábado (18), para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Ele estava preso na Superintendência da Polícia Federal (PF), na capital paranaense, desde a noite de sexta-feira (17), quando se entregou para cumprir pena pela segunda condenação dele na Operação Lava Jato.

Dirceu foi levado, na manhã deste sábado, para o Instituto Médico-Legal (IML), onde passou por exame e, em seguida, encaminhado ao presídio em Pinhais.

A defesa do ex-ministro disse que não vai se pronunciar.

José Dirceu foi condenado a pena de 8 anos e 10 meses de prisão. A Justiça do Paraná, na tarde de quinta-feira (16), mandou prender novamente o ex-ministro depois de uma decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) , que negou um recurso da defesa, que pedia prescrição da pena.

Neste processo, o ex-ministro foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, em 2017. A investigação apurou recebimento de propina em um contrato da Petrobras com a empresa Apolo Tubulars para o fornecimento de tubos para a estatal.

Prisão
José Dirceu chegou à PF por volta das 21h30 de sexta-feira na PF, em Curitiba. O prazo estipulado pelo juiz federal Luiz Antonio Bonat para que ele se apresentasse era de 16h, o que não foi obedecido. Para se entregar, o ex-ministro viajou de carro, de Brasília (onde mora) até a capital paranaense.
Durante a tarde, os advogados de Dirceu entraram com petição no processo para que o prazo fosse maior, justificando a longa viagem. Como a defesa manifestou disposição em se apresentar, ele não foi considerado foragido.
Condenações na Lava Jato
O primeiro processo em que Dirceu foi condenado apura irregularidades na diretoria de Serviços da Petrobras. A prisão dele foi pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Entre agosto de 2015 e maio de 2017 ele ficou preso no Paraná, mas conseguiu no Supremo Tribunal Federal (STF) um habeas corpus para aguardar o julgamento dos recursos em liberdade, com tornozeleira eletrônica.

Ele chegou a ser preso mais uma vez em 2018. Dirceu foi solto novamente em junho, depois que a Segunda Turma do STF considerou que ele deveria aguardar em liberdade até que os recursos fossem julgados pelo STJ.

A segunda condenação foi definida no processo que apurou irregularidades no contrato entre a Petrobras e a empresa fornecedora de tubos entre 2009 e 2012. Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), por decisão dos dirigentes, a empresa pagou vantagens indevidas e propinas de cerca de R$ 7.147.425,70 a Renato Duque e ao grupo político que o sustentava.
O grupo, conforme a denúncia, era dirigido por Dirceu. Ainda conforme o MPF, o ex-ministro recebeu aproximadamente R$ 2,1 milhões em propinas no esquema.

Mesmo preso, a defesa de Dirceu ainda pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Os advogados também podem tentar um último recurso no TRF-4.

Processo da segunda condenação
A pena estipulada na primeira instância, no Paraná, havia sido de 11 anos e 3 meses;
Na apelação, a 8ª Turma do TRF-4 decidiu, por maioria, reduzir o tempo para 8 anos e 10 meses;
Um dos desembargadores, Victor dos Santos Laus, proferiu um tempo menor de prisão e a defesa entrou com recurso de embargos infringentes, na 4ª Seção do tribunal;
Primeiro julgamento na 4ª Seção negou o pedido para reduzir a pena;
O ex-ministro também tentou anulação ou a reforma da sentença, com recurso na 8ª Turma, o que foi negado.

Últimas Notícias
Policial 13 Jun às 09:30
MPF divulgou nota afirmando que 'diálogos inteiros podem ter sido forjados' depois de um invasor se passar por integrante do Conselho Nacional do Ministério Público
Policial 08 Jun às 09:51
Hachmann é apontado como líder uma organização criminosa que, entre outros fraudava licitações para favorecer empresas do parlamentar registradas em nome de terceiros em Marechal Cândido Rondon
Policial 03 Jun às 09:42
De acordo com a polícia, carga vinha do Paraguai. Motorista abandonou o carregamento e fugiu
Policial 31 Mai às 10:06
Operação foi deflagrada nesta sexta-feira (31); há 12 mandados de prisão e 13 de busca e apreensão
Policial 28 Mai às 09:30
Ação foi deflagrada nesta terça-feira (28). Quatorze pessoas foram presas no início desta manhã
Policial 28 Mai às 09:27
Na sexta-feira (24), a Justiça tinha determinado a execução provisória da pena imposta ao ex-deputado imediatamente
Policial 24 Mai às 07:44
Segundo os policiais, Tiago Pereira Maciel apresentou um documento com nome falso; Vendelino Royer foi morto a tiros em julho de 2008
Policial 24 Mai às 07:40
Nilson Hackmann (PSC) foi preso em uma operação do Gaeco em Marechal Cândido Rondon, no oeste do Paraná
Policial 22 Mai às 13:48
Orivaldo Malaggi, que comandava a Secretaria de Obras e Viação de São Miguel do Iguaçu, está preso desde o dia 22 de março
Policial 21 Mai às 07:25
Defesa chamou 51 testemunhas para serem ouvidas no processo. Destas, 48 moram em cidades do interior do estado. Em abril, STJ determinou que processo seja julgado pela Justiça Estadual do Paraná
Tecnologia e desenvolvimento