focosh@focosh.com.br
(45) 98813-1115
Você está em: Página Inicial > Policial
Polícia faz operação contra suspeitos de causar prejuízo de mais de R$ 125 milhões ao Estado do Paraná
Ação foi deflagrada nesta terça-feira (28). Quatorze pessoas foram presas no início desta manhã
Por G1 | Postado em: 28/05/2019 - 09:30

Mais Imagens

A Polícia Civil deflagrou uma operação, nesta terça-feira (28), contra suspeitos de causar prejuízo de mais de R$ 125 milhões ao Estado do Paraná. São apurados crimes que, segundo a polícia, foram praticados por pessoas ligadas à JMK – empresa responsável pela manutenção dos veículos oficiais do governo estadual.

Quatorze investigados foram presos no início desta manhã, entre eles, os donos da empresa.

Policiais civis foram até o endereço onde um deles mora, em um condomínio de luxo no Ecoville, em Curitiba, mas o suspeito não estava em casa. De acordo com a Polícia Civil, ele foi na segunda-feira (27) para um spa em Campos de Jordão (SP) e acabou sendo detido lá junto com a esposa.

O outro sócio foi preso em casa, em um condomínio de luxo perto do Parque Tingui, na capital paranaense. Familiares dele também foram detidos. Três carros de luxo foram apreendidos ali.

Até a última atualização desta reportagem, não se sabia os locais de todas as prisões. Ao todo, há 15 mandados de prisão temporária e 29 mandados de busca e apreensão, de acordo com a Polícia Civil.

A Polícia Civil ainda não informou o que aconteceu com 15ª alvo, que até as 8h não tinha sido preso.

Outras ordens judiciais determinam o bloqueio de contas bancárias, além da apreensão de 24 carros de luxo que eram usados pela organização criminosa.

Os mandados da operação, batizada de "Peça Chave", foram expedidos pela 8ª Vara Criminal de Curitiba. Mais de 100 policiais foram às ruas para participar da ação.

A investigação

 

Conforme a Polícia Civil, a investigação mostrou que os responsáveis pela JMK estabeleceram um sistema que envolvia a falsificação e a adulteração de orçamentos de oficinas mecânicas para aumentar o valor do serviço prestado.

Os superfaturamentos chegavam a 2450%, segundo a Polícia Civil.

Outra suspeita da polícia é de que peças de qualidade e preço inferiores, provenientes do mercado alternativo, eram utilizadas para a manutenção de ambulâncias e de veículos policiais. Além disso, o valor cobrado ao Estado do Paraná era o de peças originais.

'Laranjas' e empresas de fachada

 

Os chefes do esquema criaram, de acordo com a Polícia Civil, uma estrutura com "laranjas" e empresas de fachada. Desse modo, ocultavam e dissimulavam a origem criminosa do dinheiro.

Conforme a Polícia Civil, os crimes praticados pela organização são:

 

  • Fraude à licitação
  • Falsidade ideológica
  • Falsificação de documento particular
  • Inserção de dados falsos no sistema
  • Fraude na execução do contrato
  • Lavagem de dinheiro

Os contratos

 

RPC fez um histórico da contratação dos serviços da JMK pelo Governo do Paraná. Confira:

 

  • 2015 – JMK firmou contrato de 56 milhões em 2015, quando Beto Richa (PSDB) era o governador, com promessa de economia e inovação na gestão da frota do governo;
  • 2015 – 1º Termo Aditivo: inclusão de cláusulas de responsabilidade sobre peças;
  • 2016 – 2º Termo Aditivo: renova por mais 12 meses;
  • 2017 – 3º Termo Aditivo: renova por mais 12 meses;
  • 2018 – 4º Termo Aditivo: renova por 12 meses;
  • 2019 – 5º Termo Aditivo: renova por seis meses (vigência de 27 de janeiro a 26 de julho), com valor acrescido no contrato de aproximadamente R$ 27,5 milhões.

 

 
Últimas Notícias
Policial 09 Set às 06:39
A droga estava escondida em um caminhão-tanque
Policial 02 Set às 07:05
Caso aconteceu na madrugada deste domingo (1º), no oeste do Paraná; objetos foram encontrados durante a revista.
Policial 02 Set às 07:01
Caso ocorreu na madrugada deste domingo (1º) no oeste do Paraná; ninguém foi preso.
Policial 02 Set às 06:49
Operação combate crimes ambientais e queimadas na Amazônia
Tecnologia e desenvolvimento