focosh@focosh.com.br
(45) 98813-1115
Você está em: Página Inicial > Policial
Professora será indiciada por homicídio no caso de menina asfixiada com bolsa em escola de Nova Esperança, diz delegado
Criança, de 1 ano e 11 meses, foi socorrida, mas morreu cinco dias após acidente. Professora deve responder por homicídio culposo, quando não há intenção de matar
Por G1 | Postado em: 18/01/2019 - 06:55

Mais Imagens

A professora responsável pela criança de 1 ano e 11 meses, que morreu após se asfixiar com uma bolsa em uma escola particular de Nova Esperança, no noroeste do Paraná, será indiciada por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, segundo o delegado Leandro Farnese Teixeira.

O acidente aconteceu em 14 de dezembro. A menina estava desacordada quando foi socorrida e foi reanimada no hospital da cidade. Depois, ela foi transferida para o Hospital Universitário de Maringá, no norte do estado, onde teve a morte encefálica confirmada cinco dias depois.

O relatório final do inquérito deve ser concluído ainda nesta quinta-feira (17) e encaminhado para o Fórum nesta sexta-feira (18). Com a conclusão da investigação, o Ministério Público do Paraná (MP-PR) analisa o caso e pode pedir o aprofundamento das investigações, o arquivamento do caso ou apresentar uma denúncia à Justiça.

 

As investigações

 

De acordo com Teixeira, o inquérito narra o que aconteceu de acordo com as evidências apuradas pela polícia.

“O que foi narrado e evidenciado: a altura do gancho, associada à altura da mochila e à altura da criança propiciou que ela entrelaçasse o pescoço e, quando ela tentou se deslocar, o peso do próprio corpo puxou ela, com a força da gravidade, e causou o enforcamento”, descreveu.

De acordo com o delegado, o enforcamento causou a falta de oxigenação cerebral, que evoluiu para um edema cerebral. Qualquer outro tipo de lesão foi descartado pela investigação.

“O que se concluiu é que a professora estava dentro da sala, estava preenchendo documentação, a criança realmente entrelaçou o pescoço e causou o enforcamento. A professora viu no instante seguinte, correu, só que levou um tempo para deslocar até o outro lado da sala, pegou ela no colo, mas já tinha havido constrição da carótida, que causa a falta de oxigenação”, informou o delegado.

O inquérito aponta que houve negligência da professora, porque ela poderia ter o contato com a mochilha se houvesse a cautela de recolher as alças, no entanto, não havia previsibilidade de ocorre um acidente.

O crime de homicídio tem pena prevista de um a três anos, ainda conforme Teixeira. Se não tiver antecedentes criminais e for condenada, a professora pode cumprir a pena em liberdade.

A escola onde ocorreu o acidente havia sido vendida antes do último dia de aula, que ocorreu no mesmo dia do acidente, em 14 de dezembro, segundo o delegado. A unidade está fechada desde então.

Por telefone o advogado da Escola Espaço Aprender disse que a princípio administração não vai se posicionar sobre o caso.

Últimas Notícias
Policial 16 Ago às 09:17
Ministério Público informou que em dez processos, 29 pessoas foram denunciadas em operação que investiga o caso. Seis médicos foram afastados do SUS pela Justiça
Policial 15 Ago às 07:06
Ex-governador do Paraná é acusado de participar de crimes de fraude à licitação, corrupção passiva e operações de lavagem de dinheiro
Policial 13 Ago às 06:51
Local foi encontrado na noite desta segunda-feira (12) a partir de denúncias anônimas
Policial 02 Ago às 07:30
Prisão aconteceu em uma chácara em Santa Terezinha de Itaipu nesta quinta-feira (1º) após uma denúncia anônima. Policiais usavam o carro da corporação para transportar a mercadoria
Policial 02 Ago às 07:14
Com a decisão, quatro suspeitos ficam presos por tempo indeterminado
Policial 29 Jul às 14:08
Detido em flagrante, ele teria oferecido apoio logístico ao grupo
Policial 29 Jul às 13:56
Segundo a Susipe, 16 presos foram decapitados. Uma briga entre organizações criminosas provocou a rebelião. Dois agentes prisionais foram feitos reféns
Policial 26 Jul às 10:12
Prisão ocorreu em Cascavel, nesta quinta-feira (25); conforme a polícia, o investigado não só despachava o arsenal como também cuidava do transporte desde a fronteira até o Rio de Janeiro
Tecnologia e desenvolvimento